terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Tradução PT-BR CaveStory+ (Steam) sem propaganda!

janeiro 25, 2022
Veja o jogo traduzido para o português pt-br

Ainda não fizemos uma matéria sobre Cave Story+ no momento que escrevemos isso. No entanto, temos uma tradução especial para Português. 

Passos para instalação da Tradução

1º Passo - CLIQUE AQUI para baixar a tradução sem propaganda.

2º Passo - Use o Winrar para extrair a pasta. Vai aparecer uma pasta chamada data. Essa pasta deve ser colada dentro do diretório do jogo original. Copie essa pasta.

A pasta data que você vai usar para substituir a pasta data do jogo original


3º Passo - Vá na Steam (se seu jogo estiver lá), clique em CONFIGURAÇÕES (engrenagem) > GERENCIAR > Navegar pelos Arquivos locais.


4º Passo: COLE a pasta data dentro dos arquivos locais do jogo. O sistema vai pedir se pode substituir, e você então substitua a pasta data que baixou aqui do site pela pasta data que estava no seu jogo. Ao fazer isso, o jogo já estará 100% traduzido.

Veja: colamos a pasta data (que baixamos aqui no site) no lugar da pasta data que já estava. Ao fazer isso, o jogo estará traduzido para português pt br


Gostou?! Deixe um comentário abaixo.

A série de jogos Yu-Gi-Oh! Power of Chaos continua forte até hoje!

janeiro 25, 2022

A primeira adaptação do famoso jogo de cartas para um game de PC, veio trazendo novidades. Por mais que seja baseadas nas regras das primeiras edições de Yu-Gi-Oh! O game trouxe uma estrutura de duelo que pode ser apreciada até os dias de hoje. 


A premissa do jogo é a seguinte: o jogador deve enfrentar um famoso duelista (aquele que dá nome ao título do jogo: Yugi, Kaiba ou Joey) e em duelos melhor de 1 ou de 3, decidir quem será o vencedor.


Mesmo com cartas em inglês, qualquer um que conhece a franquia conseguirá jogar. Todas as cartas são claramente vistas na tela e possuem as mesmas descrições das cartas originais e toda a estrutura do duelo é a mesma do jogo. Ou seja, temos as fases de batalha (Phases Batlle) e também para invocar monstros acima de 4 estrelas, devemos sacrificar um monstro ou mais para colocá-lo no campo.

A grande sacada deste jogo é que lutamos com um duelista fixo, que sempre há expressões para jogadas que façamos - fazendo o jogador se sentir como se estivesse dentro do próprio anime. As vezes, a CPU rouba (porque já aconteceu comigo) - principalmente quando me lembro que a máquina tirou um exódia da bunda e me venceu num jogo que já estava toda perdida para ela. Então, nesses casos ouvir a zoeira do duelista que está te vencendo assim, não é algo muito bom não!


E o que ganhamos com as vitórias? Cartas.


Na medida em que você for ganhando, novas cartas são liberadas - mas é preciso jogar muito para destravar todas elas. O jogo do Yugi, o primeiro a ser lançado dessa trilogia, é o que tem menos cartas. O lado bom é que se você tem outro jogo da série no mesmo pc, na versão mais recente - você pode usar as cartas do jogo anterior (ou seja, se tenho muitas cartas no jogo do Yugi, posso usa-las também no jogo do Kaiba). Cada jogo possui uma mesa e efeitos relacionados ao personagem e você só joga contra o mesmo. Não há opção para jogar com outro personagem ou algo parecido como uma campanha - aqui é apenas o duelo um contra um mesmo!

Porém, no jogo do Joey (Joey the Passion) - além de ser o mais atual (e podermos jogar com as cartas de Kaiba e Yugi), há opção para se jogar em rede contra um amigo. Mas não se preocupe, usando o programa gamerranger, você poderá jogar pela internet sem nenhum problema e muita gente faz isso!


Por mais que sejam três jogos, acredito que seja um game só. E muito bom! Pena que não se encontra a venda em lojas como Steam ou GOG - mas ainda dá pra jogar usando "meios alternativos".

sábado, 22 de janeiro de 2022

O clássico AD&D Eye of the Beholder

janeiro 22, 2022

Antes de começar esse post, não me resisto a dizer: Beholder é um dos monstros mais legais já criados pelo criador do RPG(D&D) Gary Gygax.

Eye of the Beholder é um jogo de RPG baseado em Advanced Dungeons & Dragons. O jogo inicialmente foi lançado para computadores em 1991. Recebeu também uma versão para Super Nintendo do jogo original. Na década de 2000, o jogo também teve um novo lançamento, para GameBoy Advanced, usando um sistema de regras totalmente diferente (usando as regras do D&D 3ª Edição ao invés do sistema de AD&D, e também trazendo um combate mais tático).

Assim como outros jogos de D&D, em Eye of the Beholder você constrói um grupo (de até 4 personagens) usando as mesmas regras dos livros oficiais de AD&D. Como numa campanha de D&D, o grupo ficará mais forte com os monstros que derrota e também com os tesouros que encontra, como armaduras e armas mágicas. O jogo é ambientado no mundo de Forgotten Realms, mas precisamente em Águas Profundas: ali os Personagens devem descer pelo covil de Xanatar (Beholder dono do crime no lugar), que também é o chefe final do jogo.



O jogo tem gráficos muito bonitos, e é bem parecido com Dungeon Hack ou até mesmo Warrior of the Eternal Sun. No entanto, por ser um jogo muito antigo, você fica facilmente perdido (em Dungeon Hack e em Warrior of the Sun pelo menos você tem um mapa para se guiar!). Para piorar, existem diversas portas e portais que vão deixar o caminho ainda mais confuso. Se não estou enganado, em Eye of the Beholder 1 (o jogo têm mais dois jogos em sequência), o covil de Xanatar conta com 12 níveis. Jogando sozinho, cheguei na metade do jogo (nível 6), depois de muitas horas e tentativas. Talvez se meu inglês fosse melhor, poderia saber melhor como passar.

Em Eye of the Beholder você passa o JOGO INTEIRO dentro do covil de Xanatar, explorando por túneis, passagens secretas, monstros diabólicos e coisas assim. O sistema de combate é meio zuado: os jogadores que estão atrás não podem atacar, a não ser por armas de longa distância ou magias. Existe também a questão da comida, obrigando você a criar um Clérigo para aprender a magia de criar comida.

Em outras palavras, Eye of the Beholder é um JOGO MUITO DIFÍCIL. Eu mesmo não consegui chegar no fim. Geralmente se você é fã de Dungeons & Dragons, pode adquirir o jogo sem problemas na GOG (os três jogos por R$19,90).

Trilogia Eye of the Beholder na GOG (R$19,90)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Conheçam o simples e divertido I, Zombie

janeiro 19, 2022


I, Zombie é um jogo brasileiro, publicado na steam pela Asewome Game Studio (a mesma de Yet Another Zombie Defense HD). Diferente de outros jogos de zumbis no mercado, aqui você não controla um caçador de zumbis que precisa lutar pela sobrevivência, mas sim VOCÊ É o próprio Zumbi.

Como Zumbi, é notório que os humanos vão lhe atacar, mas você precisa acabar com eles primeiro! Um humano derrotado se transforma num zumbi e, quanto mais humanos você derrotar, maior será sua horda zumbi para derrotar os outros humanos restantes. Os controles são o mouse ou os direcionais do teclado. Para atacar seus inimigos, basta encostar neles. 

Menu de comando para controlar os zumbis

Já a horda de zumbis que você controla, você precisará clicar com o lado direito do mouse, onde aparecerá um menu (ou pode usar as teclas A, S, D) de comando: zumbis atacam, zumbis ficam parados ou zumbis seguem o jogador. O jogo tem um total de 30 níveis. Eu demorei cerca de 2h para completar todo o jogo.

O jogo, por mais simples que seja, exigirá um pouco de estratégia do jogador! Você não pode colocar a cara assim contra alguns humanos (armados) senão morre. Além disso, existe também fases que você só precisa fugir de humanos armados para matar apenas um cientista. O zumbi pode levar dano, mas ele recupera seu HP em alguns segundos, assim como a horda.



Passar as fases com poucas baixas oferecem mais estrelas. Essas estrelas não tem nenhum diferencial no jogo, a não ser conquistas Steam. Eu gostei desse jogo. I, Zombie está na Steam por um preço bem camarada. Compre agora ou coloque na sua lista de desejos.

I, Zombie na Steam (R$4,29)

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Resenha de SNK 40th Anniversary Collection

janeiro 18, 2022


A SNK é, sem dúvida, uma das maiores empresas de produção de jogos do mundo. Embora a mesma tenha se consolidado na produção de jogos de luta (no começo dos anos 90), eles passaram boa parte da sua vida produzindo diversos tipos de jogos que, talvez é até mesmo desconhecido por parte do público.

SNK 40th Anniversary Collection é uma coletânea toda especial contendo jogos publicados pela empresa entre os anos de 1979 à 1989. São cerca de 25 jogos disponíveis. Além disso, existe uma opção para que você possa não apenas jogar o game, mas olhar seu cartaz de propaganda e também ver fotos de como eram as caixas de fliperama daquele game.

É uma coleção valiosa, principalmente para quem é fã dos jogos de luta da SNK. A própria série The King of Fighters tem personagens retirados de jogos dessa época, como Ikari Warriors (Clark e Ralf) e Atena/Psycho Soldier (Atena e Kensou).



O jogo foi lançado em 2019 para as plataformas de PC (Steam e GOG), com a qual vou deixar abaixo. Gostei muito desse produto. Você não encontrará nada novo, mas dá para perceber como o produto foi bem caprichado: na seleção de jogos, todos tem sua própria capa e logo que, deixando parado, mostra-se também um pequeno vídeo do jogo.

Lista de jogos completa em SNK 40th Anniversary Collection

Alpha Mission, Athena, Crystalis, Ikari Warriors, Ikari Warriors II: Victory Road, Ikari Warriors III: The Rescue, Guerrilla War, P.O.W.: Prisoners of War, Prehistoric Isle, Psycho Soldier, Street Smart, TNK III, Vanguard, Chopper I, Fantasy, Munch Mobile, SASUKE vs COMMANDER, Time Soldiers, Beast Busters, Bermuda Triangle, Ozma Wars, Paddle Mania, S.A.R. - Search and Rescue, World Wars


SNK 40th Anniversary Collection Steam (R$57,99)

SNK 40th Anniversary Collection GOG (R$57,99)

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

6 Vantagens que Valorant tem sobre CS GO

janeiro 14, 2022

Como todos sabem (ou não!), sou muito fã de Counter Strike. A prova disso foi que tenho todos os jogos originais da franquia na minha conta Steam e os resenhei aqui no blog, um por um. Além de ensinar como criar seu próprio servidor através da ferramenta da Valve e também, como funciona o serviço de Host (para servidores de CS!) - ou seja, eu conheço muito bem o jogo pra trazer tais comentários.


Valorant é um jogo de FPS da mesma empresa que o League of Legends, e eu já resenhei aqui no blog. Caso queira saber mais como o jogo funciona, recomendo que leia Valorant é diferente e ao mesmo tempo divertido.



Se você ama CS ou joga games parecidos (como Crossfire, Zula ou até Rainbow Six Siege), preste atenção. Aviso desde já que minha intenção não é fazer você migrar do seu jogo preferido para o Valorant, mas apenas apresentar a MINHA OPINIÃO e PORQUE EU ABANDONEI O CS e migrei para este jogo.


1=Sem xiters: Esse termo pode ser falso as vezes, uma vez que segundo o próprio pessoal da empresa do jogo alegar que é impossível acabar com todos eles. Só que os mesmos, possuem ferramentas de impedi-los ao máximo de se tornarem muito raros. O que foi o ponto de partida que me levou a jogar! Principalmente por ter banimento de hardware (ou seja, o cidadão xitado pode criar várias contas mas o sistema vai detectar o pc dele e bani-lo) - além é claro, de informar a comunidade sobre o que eles estão fazendo e o que os xiters estão tentando. Para mais detalhes, leia esse artigo (do site deles) e entenda: Estratégia contra cheats em VALORANT - O QUE? POR QUÊ? COMO?


2=A dinâmica dos personagens: algumas pessoas que estão acostumadas a jogarem CS, começam a estranhar os diferentes "poderzinhos" e muitos desinstalam ou nem querem conhecer o jogo "por não parecer CS", mas na verdade, REALMENTE NÃO É CS! Counter Strike também não é um jogo de tiro realista, eu mesmo vejo como um tiroteio estilo arcade. O fato dos personagens terem suas próprias habilidades é que o torna um game incrível. Não é só a arma que você usa, como temos no CS você ter que guardar a arma Awp no chão porque ela é importante. Aqui, as habilidades dos personagens são tão importantes quanto as armas e é isso que o torna dinâmico. Teve uma vez no rankeado que meu time estava tentando implantar a bomba e eu estava com o personagem chamado Sova (um russo que usa Arco e que pode rastrear os outros)... e tentando entrar no bomb, usei a habilidade dele de uma flecha rastreadora e graças a isso, pude ver o rastro do inimigo escondido, me fazendo tentar o pixel e matá-lo - forçando o time entrar no bomb... é por causa de coisas assim, que o Valorant é dinâmico! 


3=Os mapas: são se não me engano, seis mapas no jogo. Mas diferente do CS, você não escolhe. Ou seja, você é obrigado a saber jogar em todos os terrenos mas não se preocupe. Todos eles possuem ótimos designer e tem um ainda (Haven) que possui 3 bombs (A,B e C!). E contando com a estratégia e as habilidades dos personagens, o tornam os combates muito mais frenéticos. E todos eles possuem estruturas equilibradas, não existe um mapa "só CT" (como Mirage, no CS). Mas alguns possuem novidades, como você pode fechar portões, ou subir em cordas. (Lembrando que portões podem ser quebrados!).


4=Habilidades: Os personagens são separados em diversos tipos e cada um possui uma habilidade passiva e outras três ativas (fora a mais forte, que é o Ultimate - como no lol). E são coisas como criar muralhas de fogo (como Phoenix), ou curar os aliados ou a si mesmo (como Sage). Os personagens também podem passar por diversos efeitos, mas estarei postando um vídeo abaixo que os mostra como funciona.

5=Dublagem: o jogo está dublado para nosso idioma. Nem preciso dizer que os personagens possuem diversas falas para várias situações e muitas delas mudam se tiver certos personagens no mesmo time; Jogando, você já tem ideia da interação deles só pelo os que o dizem.


6=Jogabilidade: aqui as armas são bem mais justas que no CS. E temos dados de onde atingimos e quantos tiros foram acertados. Assim como no jogo que estamos acostumados, podemos comprar armas apertando B e também, nossas habilidades. (A Ultimate é carregada com o tempo e não pode ser comprada). Além disso, o sistema de radar é bem mais claro que o CS e somos facilmente avisados se um personagem aliado avistar alguém. E se a bomba (aqui chamada de Spike cair), os dois times são avisados que ela caiu e que parte do mapa está. Também se a pessoa estiver sem dinheiro, pode pedir pra comprar que outro jogador compra na loja e ela já recebe (não precisando comprar e dropar no chão, como no CS).

[Extra] - Não tem argentinos: diferente do que acontece no CS, onde somos colocados com pessoas de demais países da América do Sul como Argentina e Uruguai, por exemplos. Os servidores de Valorant são no Brasil, onde só jogamos com brasileiros - nada de boludo fazendo comentários racistas ou trolando sua partida.


Se você for experimentar e estranhar a jogabilidade por ser totamente diferente do CS, entenda que aquilo NÃO É CS, é um outro jogo - com características próprias. Se a gente começa pensando "fora da caixa", podemos até gostar. Aqui tivemos correções de coisas que sempre critiquei no CS, como as metralhadoras pesadas serem as armas mais cruéis do jogo, por exemplo. Ou você poder fazer mira com o botão direito com a maioria das armas para melhorar a sua precisão.


Reafirmo aqui que isso não é para você migrar do seu jogo favorito para o Valorant (como eu fiz), mas apenas para mostrar - que jogo de tiro não é só CS e que, existe empresas que tentam cuidar da comunidade, coisa que a Valve não faz por exemplo, como tirou os Bots do competitivo e temos pessoinhas atirando no chão e dando HS. Então, se for experimentar - esqueça CS! Aquilo é outro jogo e vai ver que ele é muito dinâmico e divertido... e estou lá, e pelo jeito... vai ser difícil voltar para o CS!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Clube de Caça (RPG)

janeiro 13, 2022

CLUBE DE CAÇA é um RPG de caçadores de vampiros, publicado no Brasil pela Daemon Editora em 2001. Antes disso, o cenário apareceu em formato livro, como uma "versão grátis" para quem comprava uma edição da antiga revista Dragão Brasil n°58.

Sob o nome "Temporada de Caça", esse livro dado de brinde pela revista Dragão Brasil, foi um compilado de diversas matérias que eles escreveram na época para o RPG Vampiro: A Máscara. Essa reunião de matérias, assim como no caso do Tormenta RPG, serviram para a criação desse cenário chamado Temporada de Caça. Tempos depois, o cenário foi totalmente adaptado para o Sistema Daemon, sob o nome de CLUBE DE CAÇA.

Clube de Caça é o RPG mais barato sobre Vampiros do mercado



Apesar de ter sido lançado em 2001, o livro CLUBE DE CAÇA pode ser adquirido em lojas normalmente até os dias atuais (na data que escrevo isto). O livro segue os padrões dos livros de RPG lançados pela Editora Daemon, com os MESMOS TEXTOS (copiar e colar) de regras de criação de Personagens, Aprimoramentos e Perícias. No mais, os textos do antigo Temporada de Caça aparecem aqui, com alguns acréscimos.

Enquanto no Temporada de Caça há um conto introdutório, aqui temos um conto introdutório adicional, chamado de Clube Masquerade (de autoria de Marcelo Cassaro). O Clube Masquerade é um dos tradicionais clubes de caçadores de vampiros em CLUBE DE CAÇA.

Depois de apresentar as regras de criação de Personagens, o livro segue oferecendo informações sobre as diversas organizações de caçadores de vampiros, da mesma forma que faz o livro Templários: são diversos kits para a criação de Personagens disponíveis. Como a modificação de Temporada de Caça acabou no CLUBE DE CAÇA, houveram adições para o cenário Trevas, como regras de Pactos e também caçadores de anjos/demônios.

Mas nem tudo são flores...

Existem dois grandes erros (creio eu) em CLUBE DE CAÇA:

1) Não existem informações mais claras sobre as organizações de vampiros no cenário. No Temporada de Caça há explicações sobre como eles estão em cada região do Brasil.

2) Não há muitas regras sobre poderes de vampiros.

No Sistema Daemon, os vampiros recebem poderes conhecidos como Poderes Vampíricos. No entanto, esses poderes não estão descritos no livro. Para que você tenha acesso a esses poderes, ou conhecer mais sobre os vampiros, precisaria adquirir o Vampiros Mitológicos, para conhecer mais esses poderes.

Por que encher o livro com contos, organizações de Anjos/Demônios e Poderes da Fé?! No livro Vampiros Mitológicos, a parte de poderes dos vampiros consome pelo menos 12 páginas, o que dava para colocar muito bem aqui. Ou pelo menos, os poderes mais comuns.

Mancada dos caras, ou estratégia para te "obrigar" a comprar o livro de vampiros?!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

TUTORIAL: Como MUDAR O CURSOR do mouse nos jogos feitos no Game Maker Studio 2

janeiro 12, 2022
Essa espada é o cursor do mouse que coloquei no meu projeto hehehehe

 Aqui no blog já falamos sobre a engine Game Maker Studio 2

Talvez você procurou algum tutorial na internet sobre colocar uma sprite (desenho) próprio no mouse do seu jogo e não encontrou, fique tranquilo que traremos a solução desse problema. E vou te dizer: é bem até fácil de você fazer isso!

Primeiro passo é ter uma sprite própria do mouse a ser utilizada no seu projeto. Deixe a mesma importada na pasta de sprites do seu projeto. No objeto do player (preferencialmente), vá até o Step (Etapa) e coloque o seguinte código:

cursor_sprite = o nome da sprite do seu mouse;

Esse código vai trocar a sprite do jogo. Inicialmente você não conseguirá apenas com esse código, porque vai aparecer o mouse do windows normal, que vai ficar na frente do desenho do mouse que você colocou no projeto. No entanto, para consertar esse problema, coloque esse código em cima:

window_set_cursor(cr_none)

Essa função chamada window_set_cursor() muda a configuração do desenho do mouse. Para você mudar a sprite do mouse, primeiro precisa "apagar" o mouse do seu computador quando seu jogo estiver aberto. Para isso, coloque essa função e não se esqueça de colocar o campo cr_none junto com essa função. Assim sendo, o código seria isso:

//Mudando o desenho Mouse
window_set_cursor(cr_none)
cursor_sprite = o nome da sprite do seu mouse;;

Igual eu fiz em um dos meus projetos de teste:


Esperamos ter ajudado.

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

Passwords de Cyberia (Playstation 1)

janeiro 11, 2022
Foto: Divulgação

Cyberia é um jogo de ficção científica, lançado para o Playstation 1 em 1994. Abaixo, temos todos os passwords deste jogo. Pause o jogo, escolha a opção PASSWORD e digitar um desses listados abaixo:

RIG DOCK
MEET GIA
SKEET SHOOT
BIG KISS
GOING UP
ZAPPED
EASY RIDE
BIG SHOCK
OPEN OCEAN
CATWALK
ISLAND RUN
STEAL PLANE
VALLEY RUN
ROUGH RIDE
PORT FLYBY
UNDERGROUND
PIT STOP
ICE SCREAM
COLD FEET
DOOR MAN
LOCKET OUT
SLICEOMATIC
NOT FRIENDS
LISTEN IN
GENIUS
RED LIGHT
DRUG STORE
UNSAFE DOOR
GRAFFITI
YOU WITH ME

segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

O jogo que demorei quase 10 meses para finalizar (Eterno Módulo 8 do Curso da None)

janeiro 10, 2022
Eu ainda não comentei sobre isso aqui no blog, mas atualmente um dos editores do blog tem feito um curso de desenvolvimento de jogos, pelo curso da None Class. Provavelmente farei uma matéria sobre o curso assim que terminar ele. No entanto, não posso deixar de publicar aqui a minha jornada para terminar o módulo mais extenso do curso que, no meu caso, foi praticamente uma epopeia.

No curso da None, você aprende a mexer nas plataformas Unity (provavelmente poderemos falar sobre ele em breve assim que tivermos noção dele) e Game Maker Studio 2, com a qual vemos aprendendo. Em ambos os cursos, você passa por módulos para aprender a criação de jogos. No Módulo 8 você vai aprender a criar um jogo de shooter (navinha), aprendendo diversos conceitos da linguagem usada no GameMaker, uma linguagem de programação própria chamada GML - GameMaker Language.




Problemas, problemas e mais problemas...

Comprei o curso no começo de 2021 e terminei os primeiros módulos em uma semana (acho que menos de um mês), até me deparar com o gigantesco módulo 8. Por ter terminado os primeiros módulos logo nos primeiros dias, estava ansioso com mais um. No entanto, diversos motivos me fizeram azedar um pouco no curso: um deles, talvez o principal, seria a criação de um jogo de navinha, que eu odeio.

De tanto mexer no jogo (para entender os conceitos dele), acabei fazendo uma porcaria no jogo, com a qual deixei o jogo tão bugado que não sabia como consertar. Decidi então REFAZER o módulo 8 do começo no PC que eu tinha, que era presente de um amigo. O PC já tava capengando e eu estava enrolando para não investir em um novo. No meio desse processo, esse PC queimou e fui obrigado a comprar um novo as pressas. Quem não sabe, eu trabalho profissionalmente com o computador, porque sou editor do site Flunômeno. Comprei o PC novo e continuei com o módulo. Como estava repetindo o módulo, fazia num dia uma média de 2 ou 3 aulas, mas fiquei vários dias de hiato.

O PC que comprei deu problema e a assistência técnica falou que tinha que formatar. E eu, burro que sou, esqueci de salvar o arquivo no HD 2 do PC (e não na SSD), o que me fez perder o arquivo. Por sorte, ainda tinha um arquivo do jogo, que me obrigou a voltar apenas algumas aulas (quase repito o curso pela segunda vez). Fui fazendo algumas coisas, num ritmo bem lento. Por fim, o GameMaker atualizou e não consegui fazer algumas aulas do curso no projeto, como iniciar as sequências. Tive que fazer um malabarismo de código para encaixar o jogo sem sequências no game.

Nesse meio tempo, fiz meu primeiro jogo realmente sozinho, que é um clone do Moon Patroll, que já publiquei aqui no blog.

Hoje estou feliz por ter terminado esse shooter, que começou no dia 23 de Abril de 2021, sendo terminado no dia 10 de Janeiro de 2022. As próprias sprites do jogo que criei  no meu primeiro jogo (clone do Moon Patroll) foram retiradas desse Módulo 8, do curso da None.

Onde está o jogo?!

O jogo está pronto e sem bugs. No entanto, decidi por enquanto não publicar o jogo. Eu tenho a licença do GameMaker e consigo criar os jogos sem problemas. Como existem outros na internet bem mais completos que o meu, me reservei no espaço de apenas divulgar essa história.

Moral da história é: NÃO DESISTA dos seus projetos, dos seus sonhos! Fui em frente e agora finalmente sai do eterno módulo 8 do curso da NoneClass! Quando terminar o curso falo da experiência dele aqui.

Sobre Nós

Rei dos Games


Rei dos Games é um site destinado a falar tudo sobre videogames (jogos antigos), RPGs de mesa e board games. Além disso, trazemos tutoriais, dicas, cheats de quem realmente experimentou essas mídias, trazendo também boas recomendações.


Rei dos Games é o único blog dedicado a três tipos de jogos diferentes (eletrônicos, de tabuleiro e RPGs). Se você quer conhecer bons jogos para brincar, este é o lugar certo.


Postamos recentemente

recentposts

Aleatório

randomposts